Dez filmes clássicos sobre heavy metal

14 de agosto de 2010 at 14:31 5 comentários

Reproduzo aqui a lista dos dez melhores documentários já produzidos sobre heavy metal, segundo o craque André Barcinski, crítico de cinema dos bons e um grande fã de rock’n’roll, obviamente. “Você pode até não curtir heavy metal, mas os documentários são ótimos”, diz André – e eu assino embaixo.

Anvil: The Story of Anvil (Sacha Gervasi, 2009) – Um dos melhores filmes sobre música de todos os tempos. Absolutamente imperdível. O diretor acompanha alguns anos na vida da banda canadense Anvil, grande promessa do metal nos anos 80 e que acabou esquecida. Há uma sequência mostrando um show na Hungria, com quatro pessoas na platéia, que é um dos momentos mais comoventes e hilariantes já filmados. Confesso: eu choro toda vez que assisto a esse filme.

Metallica: Some Kind of Monster (Joe Berlinger e Bruce Sinofsky, 2004) – O Metallica se tranca num estúdio para gravar o disco “St. Anger”. No intervalo, o baixista Jason Newsted pede demissão, James Hetfield desaparece para se tratar de alcoolismo, e a banda decide contratar um psicólogo para uma terapia de grupo. Uma cena, em especial, me gela os ossos: quando Dave Mustaine, 20 anos depois de ser chutado da banda, acerta as contas com Hetfield e Lars Ulrich. Sensacional.

Heavy Metal Parking Lot (Jeff Krulik e John Heyn, 1986) – Em 1986, os diretores tiveram uma idéia simples e genial: foram até o estacionamento de um ginásio onde iam tocar Judas Priest e Dokken, ligaram a câmera e deixaram os headbangers pagarem todos os micos possíveis. O resultado é um clássico absoluto do cinema caseiro e item obrigatório em todo ônibus de turnê que se preza (era um dos filmes prediletos do Nirvana).

Until the Light Takes Us (Aaaron Aites e Audrey Ewell, 2009) – Estarrecedor filme sobre a cena de black metal norueguesa, com direito a assassinato, incêndios criminosos em igrejas e uma entrevista com Varg Vikernes (Burzum, Mayhem), preso pela morte de um colega de banda.

The Decline of Western Civilization Part 2 – The Metal Years (Penelope Spheeries, 1988) – Lemmy disse tudo: “Esse filme destruiu muitas carreiras. Ele fez todo mundo parecer idiota”. Não foi culpa da diretora Penelope Spheeries, claro, mas dos entrevistados, que parecem, de fato, idiotas. Ozzy Osbourne aparece fazendo café da manhã em sua cozinha e está tão chapado que consegue derramar metade de uma jarra de suco de laranja fora do copo. O filme é um registro histórico do metal e do hard rock no auge dos penteados mais ridículos de todos os tempos.

Metal: a Headbanger’s Journey (Sam Dunn, 2005) – O antropólogo Sam Dunn viaja pelo mundo entrevistando músicos, fãs e jornalistas. O resultado é um filme abrangente sobre os vários gêneros e subgêneros do metal. Não é emocionante como os documentários centrados em bandas específicas (Anvil, Metallica) e sofre de um certo didatismo, mas tem incríveis imagens de arquivos. Confira acima o filme na íntegra e com legendas.

Dream Deceiver: The Story Behind James Vance versus Judas Priest (David Taylor, 1992) – Em 1985, James Vance, 19 anos, viu seu melhor amigo se matar com um tiro. Vance pegou a mesma arma, apontou contra a própria cabeça e disparou. Sobreviveu. Mas seus pais processaram o Judas Priest, banda que, segundo Vance, o compeliu e ao amigo suicida, por meio de mensagens subliminares em discos. De gelar os ossos.

Paradise Lost: the Child Murders at Robin Hood Hills (Joe Berlinger e Bruce Sinofsky, 1996) – Não é exatamente um filme sobre heavy metal, mas o gênero é parte fundamental da história. Os diretores acompanham o julgamento de três jovens, fãs do Metallica, acusados de mutilar e matar três crianças em rituais satânicos. O filme ganhou uma continuação em 2000, em que as provas usadas no julgamento são questionadas. O Metallica gostou tanto do filme que chamou os diretores para fazer seu próprio doc, “Some Kind of Monster”.

Iron Maiden: Flight 666 (Sam Dunn e Scott Mcfayden 2009) – O Maiden embarca num avião – pilotado por Bruce Dickinson – e dá a volta ao mundo tocando para multidões. Divertido pelas cenas de bastidores e pelas imagens dos maidenmaníacos em diferentes países. Tem ótimas cenas no Brasil.

This is Spinal Tap (Rob Reiner, 1984) – OK, não é exatamente um documentário, mas uma obra de ficção posando de documentário, mas os exageros e idiossincrasias da banda fictícia Spinal Tap poderiam muito bem ser reais. Um clássico da comédia que não envelheceu um dia.

About these ads

Entry filed under: Uncategorized. Tags: .

Águia pode usar 3 atacantes contra Rio Branco Série C: Águia goleia Rio Branco por 4 a 0

5 Comentários Add your own

  • 1. Acácio - Campeão dos Campeões  |  14 de agosto de 2010 às 22:55

    Flight 666 is the best.

  • 2. blogdogersonnogueira  |  14 de agosto de 2010 às 23:01

    Some Kind of Monster, do Metallica, também é um baita documentário, Acácio. Mostra às claras a grande crise que se abateu sobre a banda nos anos 90 e a interferência de um terapeuta contratado para ajudar os músicos a se entenderem. O filme está disponível para locação na Fox Video.

  • 3. ANDRÉ - PSC  |  15 de agosto de 2010 às 2:38

    Gerson,vocÊ conhece a extinta banda inglesa Joy Division, que seu vocalista “Ian Curtis” se suicidou, se enforcando! Existe um filme documentário, chamado, NO CONTROL. Que conta toda a trajetória da banda, que teve ínicio, no fim dos anos 70, é seu termino, no ínicio dos anos 80, é logo após seu fim, seu ex-inegrantes, fundaram, outra banda de renome dos anos 80, o NEW ORDEN, só que com um estilo invador, fazendo uso, se sintetizadores eletronicos, é batérias eletronicas, é com músicas mais dançantes, fugindo um pouco, do estilo pós-punk, do JOY DIVISION, mais com certeza, ambas às bandas, são icones de suas gerações.

    HIT’S – love will tear us apart, Transmission, Dead Soul, Digital.

  • 4. Harold Lisboa  |  15 de agosto de 2010 às 3:02

    Anvil e’ demais, os caras sao ruins, mas nunca usaram essas porras de software para preguiçosos , o legal de tudo e’ que a amizade entre os dois formadores iniciais do grupo iniciada aos 14 anos de idade, ainda vinga.

    Um entregador de marmitas e outro carpinteiro, que nas horas vagas seguem tocando para seus reduzidos fans. pouco importa se sao quatro ou zero. os caras insistem!

  • 5. Paulo Cruz  |  15 de agosto de 2010 às 9:28

    Gerson, assiste o filme a encruzilhada, muito bom ok, não é heavy !!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Estatísticas do blog

  • 4,402,242 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 6.568 outros seguidores

Vitrine de comentários

Jorge Paz Amorim em O problema está no número
Thiago Corrêa em O problema está no número
Thiago Corrêa em O problema está no número
Thiago Corrêa em Capa do Bola, edição de sexta-…
Luiz papão em Enquanto isso, no país da…
Rubens em Capa do Bola, edição de terça-…
Alan - Campeão dos C… em Capa do Bola, edição de quinta…

ARQUIVOS DO BLOG

Calendário

NO TWITTER

Siga Gerson no Twitter


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 6.568 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: